Abrir
Notícias
25Jun
Presidente da Fecoeresp diz que perfil do consumidor está mudando
ImagemO presidente da Fecoeresp Danilo Passin com o presidente da CERRP, Odair Milhossi

Na última quarta-feira (20) o presidente da CERRP (Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento da Região de São José do Rio Preto), Odair Milhossi, recebeu na sede da entidade a visita do presidente da Fecoeresp (Federação das Cooperativas de Eletrificação Rural do Estado de São Paulo), Danilo Roque Pasin, que esteve acompanhando o treinamento ministrado para os contadores de seis cooperativas de eletrificação. Pasin, que é formado em Agronomia pela Unesp de Jaboticabal, mostrou que tem amplo conhecimento no setor e que sabe de memória vários números e indicativos do setor elétrico.

Segundo o presidente da Federação, a CERRP foi uma das cooperativas que mais cresceu nos últimos seis anos. Isto se deve a mudança no perfil da cooperativa que vem se profissionalizando e deixou de ser uma empresa que simplesmente atendia apenas sitiantes. “Hoje a CERRP, assim como a maioria das nossas cooperativas, mudou esse conceito e passou a atender também o disputado mercado do setor urbano, devido ao crescimento das cidades e surgimento de novos loteamentos”.

Dentro de um ranking de 16 cooperativas de eletrificação no Estado, a CERRP se posiciona na quinta colocação em termos de consumidores e de consumo de energia. “Essa comparação é muito relativa porque a nossa maior cooperativa em quantidade de clientes fica em Ibiuna com cerca de 25 mil associados, mas em termos de consumo a de Itaí, que tem 14 mil associados, consome mais do que o dobro da de Ibíuna”.

Pasin afirma que as cooperativas de eletrificação vem crescendo sem perder qualidade. E cita como exemplo o fato da CERRP ter ganho em 2015 o prêmio como melhor classificação no IASC (Índice Anel de Satisfação ao Consumidor), superando concessionárias que estão faz anos no mercado de energia. O IASC é um indicador que permite avaliar a satisfação do consumidor residencial com os serviços prestados pelas distribuidoras de energia elétrica.

Pasin acredita que num futuro não muito longe o consumidor brasileiro poderá optar, como já acontece em alguns países da Europa, por qual companhia pretende receber sua energia. “Os usuários de celular já podem escolher a operadora que desejam porque para receber o sinal das empresas não necessitam de linhas de transmissão, já para a energia essa questão é um pouco mais complicada”.

Vantagens

A vantagem do sistema de cooperativas para o consumidor final é que ele sabe com quem está lidando. “É um sistema muito mais localizado, onde o consumidor final tem acesso até ao presidente da empresa. Sei de casos em que o cliente tem até o celular do eletricista do setor para chama-lo quando acontece algum problema na linha de transmissão de energia”.  

Por isso – acrescenta  Pasin – faz quatro anos consecutivos que os 14 melhores índices do IASC são das nossas cooperativas de eletrificação. “A satisfação dos clientes das cooperativas é muito maior do que o índice de satisfação dos clientes das grandes concessionárias, que geralmente quando necessitam falar na empresa a chamada cai no call center e não conseguem falar com ninguém. São atendidos por um sistema robotizado, onde fica discando uma sequência de números e não é atendido por nenhum ser humano”.